sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Indignação Literária


Infelizmente, algumas pessoas são lembradas apenas depois da morte, não é mesmo? Eu gostaria de falar especificamente de um grupo de pessoas que se foram e deixaram um legado. Uma herança de conhecimento compilada em livros. Sim, os escritores. Alguns se tornaram céleres ainda em vida, outros, somente após falecerem. Então um fenômeno interessante ocorre: o surgimento de perfis fakes na internet. Bom, até ai tudo bem quando se quer fazer uma homenagem. Porém, existe um problema com nome e sobrenome, que oscila entre a falta de coerência à vergonha na cara. A pseudo imputação de frases. Um mal de se atribuir coisas a eles que nunca disseram ou fizeram.

Porque não basta citar sem mencionar a fonte, tem que assassinar o português e inventar uma coqueluche de mentiras. Já vi Carlos Drummond, Quitanda, Florbela, Pessoa, Assis, até mesmo Caio Fernando Abreu, pela miséria! Clarice Lispector, coitada... é melhor nem comentar, já deve ter se revirado, levitado, contorcido de tudo que é jeito! A quantidade de atrocidades chega a assustar mais que muitos filmes de terror! Grandes autores têm assinado sem ciência citações, textos pobres, eivados de ignorância, com aparência de sabedoria, mas cheios de mediocridade e sem nexo causal com suas reais obras... eu já vi até de auto-ajuda de autores que só escreviam coisas depressivas! Shakespeare e Oscar Wilde são traduzidos "sem eira, nem beira" pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Fonte e pesquisa, pra quê?! A maioria já se foi mesmo, e se estiver vivo, quem se importa? Lembro-me de uma frase de uma famigerada rede social: "quem se define, se limita". Mas ninguém sabia de onde raios essa frase havia surgido, ou quem tinha criado. Ou qual era o título da obra. Como os jovens andam dizendo vulgarmente, as redes sociais estão se "orkutilizando", parece que a informação é qualquer coisa, menos verídica. Veja só a quantidade de frases que já vi.

“Na natureza, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma” Clarisse Lispector

“A imaginação é mais importante que o conhecimento” Machado de Assis

“O pior analfabeto é aquele que aprende a ler e não lê” Shakespeare

“No céu tem pão?” Carlos Drummond

“Livros não mudam o mundo, pessoas mudam o mundo, livros só mudam pessoas” Pedro Bial

“O seu recalque bate na minha gordura localizada e volta todo pra você” Caio Fernando Abreu

“Com as pedras que você me atira eu irei construir o meu castelo” Fernando Pessoa

“As arvores somos nozes”  Mario Quitanda

“Doa a quem doer” Platão

“Alguns infinitos são maiores que os outros” Xuxa

“Alguns problemas são como uma faca de dois legumes, é preciso matar dois coelhos com uma caixa d’água só” Lula


               E por ai vai. Talvez a última frase seja realmente verdadeira. Enfim. Não custa nada tirar um livro da estante, sacudir a poeira dele, e realmente verificar as palavras do autor. Não dói.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Um comentário:

  1. Oi, indiquei seu blog para responder uma tag, espero que goste e possa responde-la: http://colecaodenuvens.blogspot.com.br/2014/03/tag-versatile-blogger.html

    Jacke Helen
    ☁ http://colecaodenuvens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Marcadores

Seguidores

Siga por e-mail

Popular Posts

Random Posts

Flickr

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Popular Posts